Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora ...

Há pequenos instantes de vida que preenchem o momento. O instante foge. Eternizam-se ou passam despercebidos. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

01
Dez17

paisagens

 

DSC09094

 

DSC09127

DSC09091

 

DSC09072

 

 

 

o verão estende a sua sombra até aos joelhos
em que a luz se dobra: a isso chamávamos Outono

 

Na campânula do nevoeiro o plátano
incendeia a cinza: oiro e vermelho
inverosímeis como uma tempestade
eléctrica no écran da janela;
uma floração delirante do olhar
afectado pelo crepúsculo
recordado na paixão.
Depois
a água gris lavará tudo
excessivamente.

 

Manuel Gusmão

fotos | Alagoa | Novembro'17

30
Nov17

os ouriços

 

DSC09104

 

DSC09071

 

DSC09063

 

Só em Novembro as agita uma inquietação funda, dolorosa,

que as faz lançar ao chão lágrimas que são os ouriços.

Abrindo-as, essas lágrimas eriçadas de espinhos

deixam ver numa camada fofa a maravilhosa singular de que falo,

tão desafectada que até no próprio nome é doce e modesta – a castanha.

 

Miguel Torga, “Um Reino Maravilhoso” 1941

 

fotos | Alagoa | Novembro'17

28
Nov17

alegoria

 

DSC09058

 

Fruto tão maduro
Que me apodreceu.
Foi-se a colheita do futuro:
Podeis aproveitar, aves do céu!

 

Pomar de luto.
Venha outro Outono pra me consolar;
Outro fruto
Que mate a minha fome e sede de cantar.

 

E não mais espantalhos a suster
A gula natural dos meus sentidos:
Seja, enfim, livre pra morder,
Ainda verde, o que nascer
Destes ramos despidos!

 

António Manuel Couto Viana

 

foto | Alagoa | Novembro'17

20
Set17

é um outono que não é outono

Alagoa_março17_12

 

É um outono que não é outono.
Tampouco a estação por que se espera
Na dor de nos deixarem ao abandono
As ninfas que são flores na primavera.

No entanto nas coisas o segredo
De uma só alma põe a sabedoria
Dando à terra repouso no arvoredo
De que o cedro é a sagrada biografia.

 

Natália Corrreia 

 

foto | Alagoa | março17
texto | in "Antologia Poética - Natália Corrreia | D. Quixote | 2013

12
Dez16

canção violeta

IMG_9470.JPG

 

  

Amo o roxo. E vai que fazes?
A luz tamisas de malva
E roxa desponta a alva
Sobre a colcha de lilases.

 

Roxos alastram os razes.
E tu das-te nua e alva
Lírio roxo numa salva
Sobre a colcha de lilases.

 

Com suas pestanas pretas
As tuas pálpebras roxas
São duas grandes violetas.

 

E, por mais gosto da vida,
Depois que a lâmpada afrouxa,
Fez-se a alcova de ametista.

 

Jaime Cortesão

 

 ♥ FOTO | Guimarães | dezembro'16 ♥

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.