Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

Há pequenos instantes na vida que preenchem o momento. É preciso recomeçar a viagem. Sempre!

Há pequenos instantes na vida que preenchem o momento. É preciso recomeçar a viagem. Sempre!

andar por fora

03
Jun17

grito

sonia'g

 

praia d'el rey_abril17_21

 

Desespero de sentir a vida se esvaindo,
torneira aberta sobre um chão de pedra.
Que flor vai nascer?
O gesto não muda o sentido do vento;
a folha não fica parada no ar.
A gente se engana com a falsa esperança
que um dia se mude o curso do rio,
e nada se faz:
fica-se olhando o mar nos chamando,
sem nada que nos detenha,
sem coragem para o salto.

 

Edson Guedes de Morais

 

foto | Nazaré | maio'17

01
Jun17

carta de junho

sonia'g

17io17_0

 

Chegamos na metade...

Junho. É o mês onde paramos em seu primeiro dia e falamos...

"Nossa já está na metade do ano... Como o ano passa voando..."

Na verdade o ano passa sempre no mesmo ritmo...

Cada minuto ainda possui 60 segundos...

Cada hora, 60 minutos...

Na verdade, o dia ainda possui 24 horas...

Cada semana, com os seus 7 dias típicos...

Cada mês com 28,30 ou 31 dias...Depende exclusivamente do calendário...

E nesta união, somando tudo, algo em torno de 365 dias e mais algumas horinhas de saideira,

Ao conjunto de segundos, minutos, horas, dias, semanas e meses;

"Chamamos de mais 1 ano vencido, mais uma primavera, verão, outono e inverno...Etc, etc...Blablabla..."

Então o que fazer??? O tem de errado??? Por quê o ano passa voando???

Trabalho, estudos, rotina, estresse...Etc, etc...

A junção de tudo isso, faz com o que não percebemos o passar dos dias, semanas, meses... "Vida..."

E com isso...

Passam os instantes onde bate aquela saudade...

Passam os momentos...

As ilusões...

Os sonhos...E os pesadelos...

A vida continua a passar...Mesmo só... Ela continua...

No mesmo ritmo...

O ritmo das batidas do coração...

Mesmo os solitários...

Continuam a bater...

É o caso deste poeta...

 

Poeta Urbano

 

foto | Nazaré | Maio'17

12
Mai17

tempo

sonia'g

DSC04271

 



Tempo — definição da angústia.
Pudesse ao menos eu agrilhoar-te
Ao coração pulsátil dum poema!
Era o devir eterno em harmonia.
Mas foges das vogais, como a frescura
Da tinta com que escrevo.
Fica apenas a tua negra sombra:
— O passado,
Amargura maior, fotografada.

 

Tempo...
E não haver nada,
Ninguém,
Uma alma penada
Que estrangule a ampulheta duma vez!

 

Que realize o crime e a perfeição
De cortar aquele fio movediço
De areia
Que nenhum tecelão
É capaz de tecer na sua teia!

 

Miguel Torga, in 'Cântico do Homem’

 

foto | Nazaré | maio'17

08
Mai17

o surf e a lenda

sonia'g

DSC04230

DSC04237

Veado
2016
Mármore e Aço Corten
6,30m de altura


O Sítio da Nazaré, lugar de grande riqueza patrimonial, foi outrora muito povoado por veados. A célebre Lenda da Nazaré refere que Dom Fuas Roupinho caçava no Sítio e que, numa manhã de nevoeiro do século XII, se isolou dos companheiros quando perseguia um veado que se lançou no precipício. Na iminência de cair, o cavaleiro gritou pelo auxilio de Nossa Senhora da Nazaré. De imediato o cavalo estancou e cravou as patas traseiras na extremidade da arriba salvando Dom Fuas Roupinho. Nos últimos anos, a Praia do Norte da Nazaré tem sido o palco onde os surfistas descem as maiores ondas do planeta - existem registos de ondas de 30 metros. Nesta obra antropomórfica da autoria de Agostinho Pires e realizada pela escultora Adália Alberto (oferta ao Município da Nazaré) são visíveis as referências a estes dois momentos marcantes da História da Nazaré, enaltecendo o passado e elogiando o presente, ambos conjugados na escultura "Veado".

 

fotos | Nazaré | maio'17

 

05
Mai17

teatro das cidades

sonia'g

 

DSC04282

 

Qualquer tempo é um tempo duvidoso
assim o meu cercado das cidades
plataformas instáveis
praticáveis cobertos de infinita gente náufraga
que se inclina nas águas como um palco.
Paro na convergência dos estrados
chove já sobre a raça ameaçada
Incertas multidões em volta passam
contemporâneas falam interpretam
a duvidosa língua das imagens
Assim no teatro abstrato das cidades
morrem palavras sobre um palco náufrago
O tempo cobre o céu que se enche de água.


Gastão Cruz

 

foto | Nazaré | maio'17

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D