Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andar por fora

"Há pequenos instantes na vida que preenchem o momento. É preciso recomeçar a viagem. Sempre!"

☆As melhores memórias tem sempre uma viagem!☆
12 de Abril, 2022

Rumo ao "Doiro sublimado" a bordo do MiraDouro

sonia goncalves

0

Descobrir o Alto Douro Vinhateiro sobre carris já é uma experiência marcante, mas a bordo do icónico comboio MiraDouro, com as suas carruagens vintage pintadas de vermelho e branco e janelas panorâmicas, ganha outra dimensão transformando-se numa viagem única junto ao rio Douro.

 

Sem título-1

O comboio MiraDouro é um comboio vintage composto por uma locomotiva modelo 1400 e carruagens produzidas nos anos 40 do Séc. XX. Outrora integradas na rede ferroviária, entre 1949 e 1977, a sua locomotiva e carruagens foram recuperadas para novamente proporcionar experiências ímpares em viagens pelos socalcos de vinha lado a lado com o rio.

 

Sem título-2

Partimos da estação de Porto São Bento com destino à aldeia do Pocinho, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, e regressamos no final do dia. Foi uma viagem de três horas e quarenta minutos de um extremo ao outro, onde a malha urbana aos poucos deu lugar aos vinhedos e majestosos socalcos durienses sempre serpenteado pelo rio, por vezes tão próximos que quase lhe sentimos a frescura.

 

3

Foi um avivar de memórias da infância, tantas e tantas vezes o comboio foi o meu transporte até ao Tua a caminho da aldeia natal do meu Pai. Curiosamente, tal como nas minhas viagens de outros tempos, o comboio sobe e desce lotado, embora agora os muitos turistas, que apreciam as singulares paisagens, se misturem com as gentes dourienses que o utilizam nas suas deslocações diárias ou ocasionais.

 

4

Já Miguel Torga dizia que o Douro é um exagero da natureza!

 

DSC08507


O Doiro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso de natureza. Socalcos que são passados de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor pintou ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis de visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta.

Miguel Torga in “Diário XII”

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.