Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora ...

Há pequenos instantes de vida que preenchem o momento. O instante foge. Eternizam-se ou passam despercebidos. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

26
Jun17

Carnota

DSC04815

  

Carnota é uma simpática aldeia galega pertencente ao concelho de Muros.

 

 

DSC04833

  

A Igreja Paroquial de Santa Comba é o monumento mais representativo de arte religiosa de Carnota.

 

 

DSC04826

 

 O "igrexario de Carnota", localizado na horta da Igreja, é composto por um pombal... 

 

 

DSC04820

 

...e por um enorme espigueiro do século XVII com 34 metros de comprido, declarado Monumento Nacional.

 

 

DSC04823

 

 Assente sobre onze pares de colunas são os depósitos de grão e armazenamento hortícola mas comprido da Galiza.

 

 

DSC04813

 

A praia de Carnota é a mais comprida da Galiza com cerca de sete quilómetros de extensão. Uma praia irresistível de areia imaculada e água pouco profundas rodeado por um conjunto único de dunas, marismas e lagoas.

 

DSC04808

 

Uma das praias mais virgens e de grande beleza de todo o pais. Pela sua magnifica beleza foi considerada pela revista alemã " Traum Strände" uma das cem melhores do mundo.

 

fotos | Carnota - Galiza | junho'17

 

 

20
Jun17

canção medrosa

 

DSC04431

 

 

Na noite lívida, o Medo

Vem bater à minha porta,

Como um segredo

Da Esfinge morta.

 

Anda a rondar nas estradas,

Nas brancas encruzilhadas;

Nos sombrios pinheirais,

Onde o vento

Violento,

Há mil sombras murmurando,

Torvas de gestos, dançando

Ermas danças espectrais!

 

E todo se exalta e alegra!

Doido, ri na noite negra,

E, doido, esboça,

Quando cinge,

N'um desejo mais aceso

Que uma estrela,

Alma sozinha que passa...

E, de súbito, congela,

Sob o peso

Dos teus olhos, muda esfinge!

....

 

Teixeira de Pascoaes

 

foto | Serralves | junho'17
texto | in " A Poesia de Teixeira de Pascoaes" de Jorge de Sena - Brasília Editora | 1982

 

16
Jun17

nos altos ramos de árvores frondosas

DSC04429

 

 

Nos altos ramos de árvores frondosas
O vento faz um rumor frio e alto.
Nesta floresta, em este som me perco
         E sozinho medito.


Assim no mundo, acima do que sinto,
Um vento faz a vida, e a deixa, e a toma,
E nada tem sentido — nem a alma
         Com que penso sozinho.

 

Ricardo Reis

 

foto | Serralves | junho'17
texto | in "Pessoa e Pessoas de Pessoa" - EXINOV Editora | 2010

08
Jun17

gozo os campos sem reparar para eles

 

lugar do ainda_março17_04

 

 

 

Gozo os campos sem reparar para eles.
Perguntas-me porque os gozo.
Porque os gozo, respondo.
Gozar uma flor é estar ao pé dela inconscientemente
E ter uma noção do seu perfume nas nossas ideias mais apagadas.
Quando reparo, não gozo: vejo.
Fecho os olhos, e o meu corpo, que está entre a erva,
Pertence inteiramente ao exterior de quem fecha os olhos —
À dureza fresca da terra cheirosa e irregular;
E alguma coisa dos ruídos indistintos das coisas a existir,
E só uma sombra encarnada de luz me carrega levemente nas órbitas,
E só um resto de vida ouve.

 

Alberto Caeiro

foto | Lugar do Ainda | março'17
texto | in "Pessoa e Pessoas de Pessoa" - EXINOV Editora | 2010

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.