Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

Há pequenos instantes na vida que preenchem o momento. É preciso recomeçar a viagem. Sempre!

Há pequenos instantes na vida que preenchem o momento. É preciso recomeçar a viagem. Sempre!

andar por fora

24
Jun17

flui, indeciso na bruma

sonia'g

DSC05000

 

 

Flui, indeciso na bruma,
Mais do que a bruma indeciso,
Um ser que é coisa a achar
E a quem nada é preciso.


Quer somente consistir
No nada que o cerca ao ser,
Um começo de existir
Que acabou antes de o Ter.


É o sentido que existe
Na aragem que mal se sente
E cuja essência consiste
Em passar incertamente.

 

Fernando Pessoa

 

foto | Ilhas Cíes | junho'17
texto | in "Pessoa e Pessoas de Pessoa" - EXINOV Editora | 2010

23
Jun17

lá fora onde árvores são

sonia'g

DSC04576.JPG'p

 


Lá fora onde árvores são
O que se mexe a parar
Não vejo nada senão,
Depois das árvores, o mar.

 

É azul intensamente,
Salpicado de luzir,
E tem na onda indolente
Um suspirar de dormir.

 

Mas nem durmo eu nem o mar,
Ambos nós, no dia brando,
E ele sossega a avançar
E eu não penso e estou pensando.

 

Fernando Pessoa

foto | Cabo Finisterra | junho'17
texto | in "Pessoa e Pessoas de Pessoa" - EXINOV Editora | 2010

23
Jun17

o lugar onde a terra acaba

sonia'g

DSC04455

 

Para muitos peregrinos a Catedral de Santiago de  Compostela não é o destino final, para eles o fim do caminho encontra-se num dos lugares mais místicos da Antiguidade. A cerca de 90 kms a oeste de Santiago, na enigmática Costa da Morte, o fim da terra galega é também o final do Caminho de Santiago. Finisterra é um território onde se deve chegar para fazer o regresso.

 

 

DSC04556

 

 Na Idade Média era considerada a ponta mais ocidental da Europa, o fim do mundo.

 

 

DSC04520

  

O "Finies Terrae" do Império Romano. A Terra da Juventude dos Celtas.

 

 

DSC04568.JPG

 

Magnificas paisagens de mar e terra que se não fosse o panorama negro que dela se avizinha e seriam imagens de um paraíso.

 

 

DSC04616.JPG

 

 Escultura de Peregrino Medieval no inicio do caminho que une Fisterra e o Cabo Finisterra. Caminhar da aldeia até ao Farol é uma tradição dos peregrinos de Santiago, mas também muito usual para muitos turistas que por lá passam.

 

 

DSC04489.JPG

 

O Farol de Fisterra.

 

 

DSC04500.JPG

 donde el silencio esconde algo más que palabras

 

 

DSC04507.JPG

 

A Bota do Peregrino.

 

 

DSC04579.JPG

 

 O Cruzeiro.

 

 

DSC04472.JPG

 

Marco que assinala o quilómetro 0 do Caminho de Santiago.

 

 

DSC04620.JPG

 

 Soberbas vistas sobre a Costa da Morte.

 

 

DSC04519.JPG

 

 É provavelmente o Cabo mais visitado da Europa e o mais próximo da América.

 

 

DSC04561

 

  Pela tradição o peregrino devia queimar algo que usou na sua caminhada como ritual de purificação e renascimento.

 

 

DSC04496

 

Nos dias de hoje é um ritual oficialmente proibido, embora ainda seja cumprido por alguns. Muitos peregrinos deixam lá alguns de seus pertences como roupas, calçado, ou algo significativo, como forma de desapego, purificação e renovação.

 

fotos | Cabo Finisterra | junho'17

22
Jun17

oh pescador

sonia'g

DSC04635

 

 


Pescador da barca bela,
Onde vás pescar com ela
Que é tão bela,
Oh pescador!

 

Não vês que a última estrela

No céu nublado se vela?

Colhe a vela.

Oh pescador!

 

Deita o lanço com cautela,
Que a sereia canta bela.
Mas cautela,
Oh pescador!


Não se enrede a rede nela,
Que perdido é remo e vela
Só de vê-la,
Oh pescador!

 

Pescador da barca bela, Inda é tempo, foge de ela
Foge de ela,
Oh pescador!

 

Almeida Garrett

 

foto | Praia Langosteira - Fisterra | junho'17

21
Jun17

és tu

sonia'g

DSC04542.JPG

 

 

Não seja o de hoje.
Não suspires por ontens....
Não queiras ser o de amanhã.
Faze-te sem limites no tempo.
Vê a tua vida em todas as origens. 
Em todas as existências. 
Em todas as mortes. 
E sabes que serás assim para sempre. 
Não queiras marcar a tua passagem. 
Ela prossegue: 
É a passagem que se continua. 
É a tua eternidade. 
És tu.


Cecília Meireles

 

foto | Cabo Finisterra | junho'17

21
Jun17

chega através do dia de névoa alguma coisa do esquecimento

sonia'g

 

serra da estrela_março'17_7.JPG

 

 

Chega através do dia de névoa alguma coisa do esquecimento,
Vem brandamente com a tarde a oportunidade da perda.
Adormeço sem dormir, ao relento da vida.


É inútil dizer-me que as acções têm consequências.
É inútil eu saber que as acções usam consequências.
É inútil tudo, é inútil tudo, é inútil tudo.


Através do dia de névoa não chega coisa nenhuma.


Tinha agora vontade
De ir esperar ao comboio da Europa o viajante anunciado,
De ir ao cais ver entrar o navio e ter pena de tudo.


Não vem com a tarde oportunidade nenhuma.

 

Álvaro de Campos

foto | Serra da Estrela | março'17
texto | in "Pessoa e Pessoas de Pessoa" - EXINOV Editora | 2010

20
Jun17

canção medrosa

sonia'g

 

DSC04431

 

 

Na noite lívida, o Medo

Vem bater à minha porta,

Como um segredo

Da Esfinge morta.

 

Anda a rondar nas estradas,

Nas brancas encruzilhadas;

Nos sombrios pinheirais,

Onde o vento

Violento,

Há mil sombras murmurando,

Torvas de gestos, dançando

Ermas danças espectrais!

 

E todo se exalta e alegra!

Doido, ri na noite negra,

E, doido, esboça,

Quando cinge,

N'um desejo mais aceso

Que uma estrela,

Alma sozinha que passa...

E, de súbito, congela,

Sob o peso

Dos teus olhos, muda esfinge!

....

 

Teixeira de Pascoaes

 

foto | Serralves | junho'17
texto | in " A Poesia de Teixeira de Pascoaes" de Jorge de Sena - Brasília Editora | 1982

 

20
Jun17

oferta

sonia'g

 

DSC04327

 

Nada tendo para te oferecer,
te oferto:
as rédeas da minha imaginação,
os meus versos,
e a sua precária imperfeição.

 

O que possa haver no meu canto
de puro e limpo,
claro dia, sol a pino,
frutos e flores,
cheiro de chuva subindo da terra seca,
tudo te oferto,
nesse verso, pobre bandeja.

 

Escravo do sonho,
Pintor do nada,
Equilibrista em terra firme,
Almirante sem navio,
triste até quando sorrio,
te ofereço como teto e casa
o meu ideal e esse sol bravio.

 

Maximiano Campos

 

 

foto | Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" - Casa de Serralves | junho'17

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D