Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

marinheiro do farol

aveiro_abril_17_09

 

Um velho marinheiro
em sua última viagem,
Sem nenhum dinheiro,
rico em camaradagem,
Juntou as suas tralhas
pra desembarcar,
No convés a residência
que devia abandonar.

 

O mercado a direita
e a taberna à esquerda,
Foram sua família
na época das cheias,
E encostada num barril
estava á jóia mais cara,
A conquista de um pirata,
a mulher que ele amara.

 

Saindo da labuta,
No abrigo marítimo,
Ele ditaria
serenamente seu ritmo.

 

O amor é tão lindo,
Que fez aquele velho,
Se sentir um menino.

 

O amor no farol,
Fez aquele marinheiro
se orientar melhor.
O amor no farol,
Fez daquele marinheiro
um homem melhor.


Michel F.M.

 

foto | Aveiro |abril'17

porque o povo diz verdades

Guimarães fevereiro'17 08


Porque o povo diz verdades,
Tremem de medo os tiranos,
Pressentindo a derrocada
Da grande prisão sem grades
Onde há já milhares de anos
A razão vive enjaulada.

 

Vem perto o fim do capricho
Dessa nobreza postiça,
Irmã gémea da preguiça,
Mais asquerosa que o lixo.

 

Já o escravo se convence
A lutar por sua prol
Já sabe que lhe pertence
No mundo um lugar ao sol.

 

Do céu não se quer lembrar,
Já não se deixa roubar,
Por medo ao tal satanás,
Já não adora bonecos
Que, se os fazem em canecos,
Nem dão estrume capaz.

 

Mostra-lhe o saber moderno
Que levou a vida inteira
Preso àquela ratoeira
Que há entre o céu e o inferno.

 

António Aleixo, in "Este Livro que Vos Deixo..."

 

 

foto | Guimarães | fevereiro'17

uma fábrica de ausências

aveiro_abril_17_01

 

A solidão portuguesa tem a ver com que o que faz falta, isto é, com a falta que os portugueses conseguem fazer. Portugal é uma fábrica de ausências. Ninguém é capaz de inventá-las tão bem como nós. Ninguém é capaz de se convencer com tanto êxito da grande falta que podem fazer as coisas inexistentes.

 

Miguel Esteves Cardoso

 

foto | Aveiro | abril'17

quem as escuta?

DSC04501.JPG

 

 

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

 

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

 

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

 

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

 

Eugénio de Andrade

 

 

foto | Cabo Finisterra | junho'17

a lenda da barba dourada

DSC04629

 

Igreja românica de Santa María das Areas na aldeia de Finisterra.

 

 

DSC04622

 

No seu interior é venerada a imagem do Cristo da Barba Dourada.

 

 

DSC04623

 

Segundo a lenda, no final do século XII durante uma tempestade, por dificuldades de navegação, uma embarcação desfez-se de uma caixa para se salvarem.

 

 

DSC04624

 

O mar arrastou a caixa até à aldeia até esta encalhar na areia. Dentro da caixa a população encontrou um santo Cristo pregado na cruz.

 

 

DSC04625

 

A imagem foi tirada em procissão para a igreja e lá permanece como objeto de grande devoção.

 

 

DSC04627

 

   Diz-se que lhe crescem os cabelos e a barba e por isso é chamado do Cristo da Barba Dourada. Não tive oportunidade de entrar dentro da igreja para o comprovar.

 

 

Santo Cristo de Fisterra
Santo da barba dourada
Veno de lonxe terra
Santo, para você ver o meu rosto.

 

fotos | Fisterra | junho'17

 

 

Carnota

DSC04815

  

Carnota é uma simpática aldeia galega pertencente ao concelho de Muros.

 

 

DSC04833

  

A Igreja Paroquial de Santa Comba é o monumento mais representativo de arte religiosa de Carnota.

 

 

DSC04826

 

 O "igrexario de Carnota", localizado na horta da Igreja, é composto por um pombal... 

 

 

DSC04820

 

...e por um enorme espigueiro do século XVII com 34 metros de comprido, declarado Monumento Nacional.

 

 

DSC04823

 

 Assente sobre onze pares de colunas são os depósitos de grão e armazenamento hortícola mas comprido da Galiza.

 

 

DSC04813

 

A praia de Carnota é a mais comprida da Galiza com cerca de sete quilómetros de extensão. Uma praia irresistível de areia imaculada e água pouco profundas rodeado por um conjunto único de dunas, marismas e lagoas.

 

DSC04808

 

Uma das praias mais virgens e de grande beleza de todo o pais. Pela sua magnifica beleza foi considerada pela revista alemã " Traum Strände" uma das cem melhores do mundo.

 

fotos | Carnota - Galiza | junho'17

 

 

Pág. 1/6