Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

Cerejeira rosa

 

 

 

"Queria ser
Cerejeira rosa
Alta e frondosa,
Enchendo o chão de sombras
E os galhos de passarinhos
Que nela, aos pares,
Construíssem ninhos,
Lançando aos ventos
Sonoros pensamentos.
Então, a minha sombra
À tarde, abrigaria namorados
Trazendo juras de amor
Tão puras e ternas
Que parecessem eternas.
Como as flores rosa
De meus galhos."

 

Sonia Quartin

 

 

FOTO:

Castelo Novo

março'14

 

Lenda da Aldeia Histórica de Castelo Novo

 

 

 

 

 

Belisandra e a praga dos gafanhotos.

 

"Referidas até em relatos bíblicos, as pragas de gafanhotos sempre assustaram os agricultores. E segundo a tradição, em tempos idos, Castelo Novo esteve ameaçado por uma praga de gafanhotos. Vivia próximo desta aldeia uma rapariga de seu nome Belisandra e que por causa da sua fama de bruxa vivia na mais completa solidão, tendo por companhia, unicamente, um gato. Sempre que necessitava de ir á aldeia, a pobre Belisandra tinha de enfrentar um coro de maledicência, risinhos de troça e o desprezo de todos. Embora em horas de aflição, muitos a ela recorrerem-se em segredo, em publico troçavam dela como se uma maldição se tratasse. Do mesmo castigo sofrera sua mãe Lisandra e sua avó Cassandra. Nunca ninguém tinha presenciado nada que confirmasse tais historias, mas dela se dizia que controlava o sol e a chuva, que curava doenças, que ensinava a melhor maneira de fazer filhos homens, e assim por diante… Belisandra atendia quem a procurava mesmo sabendo que no dia seguinte todos continuariam a dizer horrores sobre ela.

Um belo dia estando os campos cobertos de belas searas e o povo preparando-se para colher os frutos do seu trabalho, viram surgir no céu uma espessa nuvem que quase cobriu o sol. A princípio ninguém percebia do que se tratava, mas aos poucos compreenderam que se avizinhava uma praga de gafanhotos. E pela primeira vez, em grupo, recorreram a Belisandra que a todos surpreendeu quando lhes disse que deveriam fazer uma Procissão à Senhora da Misericórdia porque só ela lhes podia valer. Assim fizeram e conta a lenda que ainda a procissão ia no adro já os gafanhotos caíam mortos às centenas. O povo prometeu fazer a procissão todos os anos e cumpriu, porque ainda hoje em Setembro a tradição se mantém. Belisandra continuou a viver a sua vida solitária, pela fama de bruxa, mas desde esse dia o povo passou a respeitá-la. Não sem que se perguntassem como podia uma mulher cristã dominar as forças da natureza…"

 

texto | Casas do Cruzeiro

 

FOTO:

Castelo Novo

março'14

quatro ferros

Pelourinho de Castelo Novo no Fundão.

 

 

 

 

 

 

 

FOTOS:

Castelo Novo

março'14

 

aldeia histórica

Castelo Novo, Fundão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Localizada numa encosta da serra da Gardunha, a cerca de 650m de altitude, a bonita aldeia de Castelo Novo possuí uma estrutura urbana em bom estado de conservação.

 

 

FOTOS:

Castelo Novo

março'14

Balada de Neve

 

 

 

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

 

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

 

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

 

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
. Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

 

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

 

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

 

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

 

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

 

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

 

Augusto Gil

 

FOTO:

Serra da Estrela

março'14