Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

Bom Ano Novo

 

 

 

Receita para um Ano Feliz:

Tome 12 meses completos.

Limpe-os cuidadosamente de toda a amargura, ódio e inveja.

Corte cada mês em 28, 30, ou 31 pedaços diferentes,
mas não cozinhe todos ao mesmo tempo.

Prepare um dia de cada vez com os seguintes ingredientes:


   
                                                             - Uma parte de fé
                                                             - Uma parte de paciência
                                                             - Uma parte de coragem
                                                             - Uma parte de trabalho

 

     
Junte a cada dia uma parte de esperança, de felicidade e amabilidade.

Misture bem, com uma parte de oração, uma parte de meditação e
uma parte de entrega.

Tempere com uma dose de bom espírito, uma pitada de alegria, um pouco
de acção, e uma boa medida de humor.

Coloque tudo num recipiente de amor.

Cozinhe bem, ao fogo de uma alegria radiante.

Guarneça com um sorriso e sirva sem reserva.

                                    
                                                                                                                                          fonte: Ana Alves (1914 - 2006)

 

 

Feliz 2013!

 

Noite Feliz!

 

 

 

 

 

 

Noite feliz! Noite feliz!
Ó Senhor, Deus de amor!
Pobrezinho nasceu em Belém;
eis, na lapa, Jesus, nosso bem:
dorme em paz, ó Jesus!
Dorme em paz, ó Jesus!

Noite feliz! Noite feliz!
Ó Jesus, Deus da luz!
Quão afável é teu coração
que quiseste nascer nosso irmão
e a nós todos salvar!
E a nós todos salvar!

Noite feliz! Noite feliz!
Eis que, no ar, vêm cantar,
aos pastores, os anjos do Céu,
anunciando a chegada de Deus,
de Jesus Salvador!
De Jesus Salvador!

 

Socalcos à margem do rio Douro

 

 

  DOURO

  Cai o sol nas ramadas.
  O sol, esse Van Gogh desumano...
  E telas amarelas,calcinadas,
  Fremem nos olhos como um desengano.

  A cor da vida foi além de mais!
  Lume e poeira, sem que o verde possa
  Refrescar os craveiros e os tendais
  De uma paisagem mais secreta e nossa.

  Apenas uma fímbria namorada,
  Vermelha e roxa, se desenha ao fundo
  O mosto de uma eterna madrugada
  Que vem do incêndio refrescar o mundo.


  Miguel Torga

 

 

 

 

 

 

 

 

FOTO:
Régua
Outubro'12