Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

Uma ilha repleta de encanto natural

Report: Ilha de São Miguel, Açores.

 

 

 

 

Este ano decidi fazer uma escapadinha de 4 dias na ilha de S. Miguel. Ainda não conhecia e as expectativas eram muito elevadas. E de facto o encanto natural da "Ilha Verde" é de incomparável beleza.

 

Optei por um pacote Fly & Dry com entrega e recolha da viatura no aeroporto.

 

Fiquei no Hotel Avenida. Um hotel confortável, com boa localização e estacionamento gratuito e privado. 

 

No primeiro dia saí em direcção à parte ocidental da ilha. Subi por Relva em direcção à Lagoa das Sete Cidades. A estrada segue por verdes campos infindos. Ao longo do caminho existem vários miradouros, entre os quais o Miradouro da Vista do Rei, o Miradouro Cerrado das Freiras e o Miradouro da Lagoa de Santiago.

Deixando as lagoas azul e verde para trás segui em direcção a Mosteiros, com passagem pela povoação de Sete Cidades e pelo Miradouro do Escavaldo.

Em Mosteiros para além da beleza da cor do mar pode-se observar os seus ilhéus e as piscinas naturais. Aproveitei para almoçar no Restaurante Brisa do Mar, onde comi um saboroso peixe fresco grelhado.

Continuei em direcção à Ribeira Grande passando por Ajuda da Bretanha, Morro das Capelas e Fenais da Luz. Segui para um dos pontos de visita obrigatória da ilha, a Caldeira Velha, uma bonita cascata rodeada por uma fogosa floresta. Dali sai em direcção à Lagoa do Fogo, para mim a mais encantadora de todas.

De volta a Ponta Delgada jantei no Restaurante Aliança, onde comi o famoso bife regional que estava delicioso.

 


 

 

No segundo dia saí de Ponta Delgada em direcção a Vila Franca do Campo, onde subi à Ermida de Nossa Senhora da Paz um lugar rodeado por paisagens verdejantes com uma vista soberba sobre a vila e o seu ilhéu. Segui em direcção às Furnas, onde visitei o Parque Terra Nostra, que possuí uma piscina natural de água quente e férrea. Depois de visitar a Lagoa  das Furnas,onde é feito o famoso cozido, almocei no Restaurante Miromas onde provei o cozido, mas preferi comer um saboroso polvo guisado. 

Continuei a caminho de Povoação, uma pequena vila com um mini-zoo. Na estrada para a vila do Nordeste, o extremo oriental da vila, os Miradouros abundam, todos com vistas deslumbrantes sobre a terra e o mar. Já a caminho da Ribeira Grande fiz alguns desvios da estrada para visitar a Ermida de Nossa Senhora do Pranto em São Pedro de Nordestinho e o Miradouro da Vigia das Baleias na Algarvia. Quando cheguei às famosas fábricas de chá da ilha já se encontravam encerradas, deu apenas para admirar as plantações de chá.

De volta a Ponta Delgada jantei no Restaurante do Hotel.

 

O último dia ficou reservado para conhecer com maior pormenor a simpática cidade de Ponta Delgada, visitando as suas bonitas igrejas e os seus encantadores jardins.

 

 A ilha de São Miguel é um verdadeiro paraíso para os amantes da natureza, gostei muito e recomendo. 

  

 

FOTOS________________

Ponta Delgada

Ilha de São Miguel, Açores

Abril '12

Homenagem ao poeta

Jardim Antero de Quental, Ponta Delgada.

 

 

 

 

                                                                         Solemnia Verba

 

                                                                         Disse ao meu coração: Olha por quantos
                                                                         Caminhos vãos andámos! Considera
                                                                         Agora, desta altura, fria e austera,
                                                                         Os ermos que regaram nossos prantos...

 

                                                                         Pó e cinzas, onde houve flor e encantos!
                                                                         E a noite, onde foi luz a Primavera!
                                                                         Olha a teus pés o mundo e desespera,
                                                                         Semeador de sombras e quebrantos!

 

                                                                         Porém o coração, feito valente
                                                                         Na escola da tortura repetida,
                                                                         E no uso do pensar tornado crente,

 

                                                                         Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
                                                                         Viver não foi em vão, se isto é vida,
                                                                         Nem foi demais o desengano e a dor.

 

                                                                         Antero de Quental, in "Sonetos"

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

                                                                         Contemplação

 

                                                                         Sonho de olhos abertos, caminhando
                                                                         Não entre as formas já e as aparências,
                                                                         Mas vendo a face imóvel das essências,
                                                                         Entre idéias e espíritos pairando...

 

                                                                         Que é o mundo ante mim? fumo ondeando,
                                                                         Visões sem ser, fragmentos de existências...
                                                                         Uma névoa de enganos e impotências
                                                                         Sobre vácuo insondável rastejando...

 

                                                                         E d'entre a névoa e a sombra universais
                                                                         Só me chega um murmúrio, feito de ais...
                                                                         É a queixa, o profundíssimo gemido

 

                                                                         Das coisas, que procuram cegamente
                                                                         Na sua noite e dolorosamente 
                                                                         Outra luz, outro fim só presentido...

 

                                                                         Antero de Quental, in "Sonetos"

 

 

FOTOS________________

Ponta Delgada

Ilha de São Miguel, Açores

Abril '12

Pág. 1/5