Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

andar por fora

à descoberta da plenitude de um instante eternizando o momento que passa

Local de encontro...

... no mercado dos Lavradores, Funchal.

 

 

 

O colorido e  vibrante Mercado dos Lavradores é mais do que apenas um mercado: é um dos centros sociais da Madeira local de encontro para pessoas de toda a ilha que vêm do campo para comprarem e venderem os seus produtos.

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

Na minha opinião é um ponto de visita obrigatória, mas cuidado com as compras, os vendedores são muito insistentes com os turistas e o preço da fruta é elevado.

 

 

Rio D´Ouro...

... mais do que um rio, um maravilhoso cenário natural.

 

A 2.080 metros de altitude nos picos da Serra de Urbião (Sierra de Urbión), na província de Sória (Espanha), nasce o Rio Douro. Atravessa o Norte de Portugal e desagua no Porto. Tem 927 km de comprimento e é o segundo rio mais extenso da Península Ibérica.

 

Depois do trabalho do rio, que cavou fundo o seu leito, o homem adaptou as encostas íngremes à cultura da vinha, construindo assim uma das mais antigas regiões vitícolas do mundo, a Região Demarcada do Douro, hoje Património Mundial da Humanidade, onde se produz o famoso vinho do Porto.

 

                                                                                                                   

 

 

                                                                                                                                                                                           

                                                               Suor, rio, doçura.
                                                               (No princípio era o homem ...)
                                                               De cachão em cachão,
                                                               O mosto vai correndo
                                                               No seu leito de pedra.
                                                               Correndo e reflectindo
                                                               A bifronte paisagem marginal.
                                                               Correndo como corre
                                                               Um doirado caudal
                                                               De sofrimento.
                                                               Correndo, sem saber
                                                               Se avança ou se recua.
                                                               Correndo, sem correr,
                                                               O desespero nunca desagua ...

                                                                                    (Miguel Torga)

 

 

 

                                                                                                                              

                                                           

                                                               Corre, caudal sagrado,
                                                               Na dura gratidão dos homens e dos montes!
                                                               Vem de longe e vai longe a tua inquietação...
                                                               Corre, magoado,
                                                               De cachão em cachão,
                                                               A refractar olímpicos socalcos
                                                               De doçura
                                                               Quente.
                                                               E deixa na paisagem calcinada
                                                               A imagem desenhada
                                                               Dum verso de Frescura
                                                               Penitente.

                                                               (Miguel Torga)

 

 

                                                                                                                         

 

Quem vem e atravessa o rio, junto à serra do Pilar, não fica indiferente à margem da Ribeira de Gaia, onde dezenas de barcos rabelos relembram o transporte do Vinho do Porto.

Para mim qualquer viagem à beira rio nas margens do Douro é sempre bem-vinda, seja a pé, de carro, comboio ou barco.

 

A Lenda dos Três Rios

Douro, Tejo e Guadiana

 

Era uma vez três rios que nasceram em Espanha. Chamavam-se Douro, Tejo e Guadiana. Estavam um dia a contemplar as nuvens e perguntaram-lhes donde vinham.

- Do mar - responderam elas. - É o nosso pai e o nosso avô.

- Onde fica o mar? - perguntaram os rios.

- Lá longe, em Portugal - responderam as nuvens.

- É grande?

- É, é muito grande.

- Havemos de ir ver o mar.

E combinaram que no dia seguinte iriam os três ver o mar. Assim fizeram.

O Guadiana acordou primeiro e lá foi calmamente, contemplando os montes e as belezas que o espreitavam, e escolhendo os caminhos por onde passava, ao chegar a Vila Real de Santo António parou maravilhado. O segundo foi o Tejo. Quando acordou já o sol ia alto. Começou a andar depressa, quase não escolhendo caminho, mas, quando entrou em Portugal, pensou lá consigo que já deveria ter muito avanço e lembrou-se de gozar as campinas e os montes, espreguiçando-se nas margens planas, antes de se lançar nos braços do avô. O Douro, quando acordou e se viu só, nem esfregou os olhos. Partiu à pressa por desfiladeiros e precipícios, não escolhendo caminho, nem pensando em gozar a natureza.

Assim foi ele que, muito sujo e enlameado, chegou em primeiro lugar. E assim é também que os nossos três rios mais importantes têm características diferentes.